Inteligência Emocional: o trunfo das pessoas de sucesso

Houve um tempo em que as habilidades técnicas eram as mais requisitadas.

Porém, uma tendência que cresce cada vez mais é a valorização do comportamento humano, visto que essa parte não pode ser automatizada.

Dentro da gama de comportamentos humanos valorizados, existem aqueles que são muito apreciados por tornar a pessoa mais produtiva e centrada nos seus objetivos, como é o caso da Inteligência Emocional.

Atualmente, ter Inteligência Emocional se tornou uma preocupação para vários trabalhadores e estudantes, dada sua importância para o mercado de trabalho e para o crescimento pessoal.

Desenvolver essa soft skill tão importante é essencial para você se tornar uma pessoa verdadeiramente inteligente.

Nesse artigo você vai aprender o que é a Inteligência Emocional, como identificar essa habilidade (ou a falta dela) e como desenvolver e melhorar a sua.

Vamos juntos?

O que é Inteligência Emocional

Ilustração de uma menina loira segurando uma balança na qual tem de um lado um coração e no outro um cérebro.
Ter inteligência emocional é ter equilíbrio.
"O conhecimento provém da inteligência racional, a compreensão da inteligência emocional." Emídio Brasileiro

Nós vivemos atualmente na “era digital”. Mas isso não é apenas um título bonito para os tempos que enfrentamos, também é um aviso para o que está por vir.

Cada vez mais os aspectos técnicos, as chamadas hard skills, são suprimidos pelos avanços tecnológicos, como inteligência artificial e machine learning.

Mas ao contrário do que muitos pensam, as máquinas não podem fazer tudo o que o ser humano faz.

Por isso a exigência agora se volta para o desenvolvimento de habilidades comportamentais, chamadas de soft skills.

O que são soft skills e hard skills?

  • Hard skills são habilidades relacionadas aos estudos e conhecimento técnico, como fluência em uma língua estrangeira, um diploma ou certificado de proficiência e conhecimentos específicos de computação, por exemplo.
  • Soft Skills são habilidades pessoais, subjetivas e estão relacionadas com a forma como você interage com outras pessoas e com suas emoções. Empatia, ética, Inteligência Emocional e Motivação são exemplos.

Uma das soft skills mais importantes e complexas de se desenvolver é a Inteligência Emocional.

É difícil definir o que é Inteligência Emocional, pois ela varia conforme a cultura e o meio em que você se encontra.

Uma das definições mais aceitas é a de que a Inteligência Emocional é a capacidade de gerenciar as emoções, tanto as individuais como as dos outros.

Um exemplo disso é uma pessoa que consegue terminar seus afazeres do dia, mesmo sentindo-se triste ou ansiosa.

Hoje em dia já se sabe que essa habilidade não é inerente, todo indivíduo precisa aprendê-la. Alguns conseguem isso com mais facilidade do que outros, mas é importante que todos tentem adquiri-la.

Antigamente tinha-se a ideia de que a inteligência humana era medida apenas pela sua capacidade de desenvolver hard skills.

Um dos testes mais comuns para se medir essa inteligência é o teste de QI.

Mas hoje já se sabe que as soft skills e principalmente a Inteligência Emocional, são extremamente importantes para o bom funcionamento da sociedade.

Quando a Inteligência Emocional (IE) começou a ser reconhecida e mais estudada, ela serviu como explicação de uma descoberta peculiar: pessoas com QIs medianos performam melhor do que aqueles com QIs maiores em 70% das vezes.

Esse dado abriu uma nova perspectiva, visto que no entendimento geral, o QI que era a única fonte para o sucesso.

Um dos maiores estudiosos dessa área, Daniel Goleman, escreveu sobre os 5 pilares da Inteligência Emocional e como ela se aplica em todos os aspectos da nossa vida.

Os 5 pilares da Inteligência Emocional

Entender quais são os 5 pilares da Inteligência Emocional é o primeiro passo para você conseguir desenvolvê-la e praticá-la diariamente.

Dominar esses 5 aspectos fará com que você consiga dominar seus próprios impulsos, tornando suas emoções muito mais controláveis.

Dominar sua Inteligência Emocional significa ser capaz de perceber suas emoções, saber nomeá-las, entender seus gatilhos para desenvolver formas de lidar com elas.

  1. Autoconhecimento Emocional: significa conhecer-se. Analisar suas emoções e os atos que você faz como resposta aos seus estímulos. Por trás dos seus sentimentos pode existir um medo maior, uma angústia maior. Reconhecer verdadeiramente seus sentimentos a ponto de nomear corretamente suas emoções é um passo fundamental para desenvolver Inteligência Emocional.
  2. Controle das Emoções: você só consegue lidar com seus sentimentos depois de conhecê-los. É por esse motivo que esse é o segundo pilar. Após conhecer suas emoções chega a hora de trabalhar com elas. Aprender a lidar com as emoções e controlá-las te colocará na direção certa conforme cada situação se apresenta na sua vida, e fará toda a diferença entre o equilíbrio e a disfunção. Por exemplo, você deve evitar pensar de imediato em um resultado negativo. Tente ser otimista, enxergar o lado positivo das coisas. Cada situação possui diversas saídas, basta você controlar suas emoções e encontrá-las.
  3. Automotivação: você possui um ideal que te mantém ávido pela realização de seus sonhos e objetivos? No controle e gerenciamento das suas emoções, você tem um caminho muito mais tranquilo e equilibrado em direção aos seus objetivos. Assim consegue mudar antigos padrões de comportamento e se motivar para investir em uma atitude que possibilita crescimento nos seus relacionamentos, no seu trabalho e na sua vida em geral.
  4. Empatia: envolve muito mais do que validar e respeitar o sentimento do outro. A empatia é se inserir no contexto em que o outro está. É entender porque, para o outro, aquele sentimento despertou determinada emoção. É uma virtude necessária ao bom convívio pessoal, social e profissional. A empatia é importante porque melhora as relações humanas e possibilita ver as coisas pelo ângulo das outras pessoas. Tornar-se mais habilidoso nas relações com o outro, entender seus desejos e motivações, é fundamental para a vida em sociedade.
  5. Habilidades Sociais: também chamado de relacionamento interpessoal. Sempre precisaremos do outro pois somos parte de uma sociedade. Para se relacionar bem socialmente, é fundamental o equilíbrio entre a empatia, o autocontrole e a autoconsciência. Relacionamentos baseados no respeito são uma das formas mais eficientes de criar um ambiente positivo ao seu redor. Perceber as necessidades do outro é fundamental para melhorar os relacionamentos interpessoais.

Para lidar com as pressões diárias na sua vida, a solução mais rápida é aplicar os pilares da Inteligência Emocional, o que lhe trará vários resultados positivos.

Ainda nesse artigo vamos explicar melhor como aplicar os pilares para melhorar sua rotina (seja nos estudos, seja no seu trabalho).

Quem é Daniel Goleman

Apesar de ter sido citado pela primeira vez muito antes disso, foi em 1995 que aconteceu a popularização do termo Inteligência Emocional, com a publicação do livro de mesmo nome, do autor americano Daniel Goleman.

Daniel Goleman, autor de "Inteligência Emocional"
Daniel Goleman, autor de "Inteligência Emocional"

Goleman tem graduação e doutorado em Psicologia pela Universidade de Harvard e passou 12 anos à frente da editoria de Ciência do The New York Times, onde escrevia sobre comportamento humano e reações do cérebro.

Quando reuniu material suficiente mas viu que não poderia usar as plataformas do The New York Times para suas ideias, Daniel Goleman produziu sua obra mais conhecida.

O best-seller Inteligência Emocional traz várias ideias e conclusões sobre o tema e um dos dados mais importantes, que transformou a visão sobre o conceito de inteligência, foi o fato de que Daniel Goleman afirma neste livro que o QI (quociente intelectual) representa apenas 20% das aptidões necessárias para se tornar uma pessoa bem sucedida.

Os outros 80% são formados por diferentes fatores da Inteligência Emocional que, juntos, formam o QE (quociente emocional).

Uma das frases de Daniel Goleman que resume a importância de desenvolver sua IE diz que:

“O impulso é o veículo da emoção; a semente de todo impulso é um sentimento explodindo para expressar-se em ação. Os que estão à mercê dos impulsos — os que não têm autocontrole sofrem de uma deficiência moral. A capacidade de controlar os impulsos é a base da força de vontade e do caráter.”

Agora que você já sabe sobre Daniel Goleman e sobre Inteligência Emocional, descubra como identificar os pontos fracos em você e nas pessoas ao seu redor.

Os principais sinais da baixa Inteligência Emocional

Foram décadas de pesquisa sobre o assunto até os estudiosos descobrirem que existe uma ligação muito forte entre alta Inteligência Emocional e sucesso na execução de algumas tarefas, como liderança, estudo e conexões interpessoais.

Essa ligação é tão forte que cerca de 90% das pessoas que obtêm sucesso nessas tarefas possuem um QE (Quociente Emocional) alto.

“Não há dúvida de que a inteligência emocional é mais rara que a inteligência que vem dos livros, e minha experiência diz que ela é a mais importante na composição de um líder. Não dá para simplesmente ignorá-la”.  Jack Welch

Você já se perguntou quais são os sinais de baixa Inteligência Emocional? Listamos os 10 principais para você começar a observar a si mesmo e as pessoas ao seu redor:

10 principais sinais de baixa Inteligência Emocional

1. Culpar os outros por seus problemas emocionais

Pessoas com elevada Inteligência Emocional responsabilizam-se pelas próprias emoções. Ninguém pode nos fazer sentir algo sem a nossa permissão. Podem influenciar e conduzir, claro, mas essa reação parte da nossa “permissão”.

Embora as emoções surjam de forma automática e inconsciente, elas vêm de dentro. É tentador atribuir seu estado emocional às atitudes dos outros, mas você tem que se responsabilizar pelas suas emoções.

2. Ficar estressado facilmente

Se você tem baixa Inteligência Emocional, quando mexe com seus sentimentos, eles rapidamente geram sensações desconfortáveis de tensão, estresse e ansiedade.

Suas habilidades em Inteligência Emocional fazem do estresse algo mais controlável ao lhe permitir identificar e lidar com situações difíceis antes que elas piorem. Pessoas que falham ao usar essas habilidades tendem a ativar outro lado menos efetivo do controle do humor.

3. Ficar facilmente ofendido

Se você tem uma compreensão certa de quem é, torna-se difícil para alguém falar ou fazer algo que lhe ofenda. Pessoas inteligentes emocionalmente são autoconfiantes e "mente aberta".

Você pode até brincar consigo mesmo e deixar os outros fazerem piada sobre você pois consegue estabelecer um limite entre humor e degradação. Claro que em situações de ofensa verdadeira e rebaixamento, toma decisões assertivas para tentar resolver a situação.

4. Guardar rancor

Você guarda mágoa ou rancor das pessoas? As emoções negativas que vêm junto ao fato de guardar rancor são na verdade uma resposta ao estresse.

Só por pensar em certos eventos, o nosso corpo entra no modo “lutar ou correr”, um mecanismo de sobrevivência que nos força a agir quando encontramos uma ameaça.

As emoções desagradáveis servem um propósito. Devemos senti-las, mas não devemos guardá-las e ruminar sobre elas.

5. Desconhecer seus gatilhos emocionais

Todos temos gatilhos. São situações e pessoas que nos incomodam e nos fazem agir por impulso.

Pessoas inteligentes emocionalmente estudam os seus gatilhos e usam esse conhecimento para se livrar de situações e pessoas antes de perder o controle das próprias emoções e reações.

6. Incapacidade de identificar e nomear o que sente

Os seres humanos são capazes de sentir e experimentar diversas emoções, mas são poucas as pessoas que conseguem identificar com precisão as emoções quando estas surgem.

O problema disso é que emoções sem rótulo certo geram interpretações incorretas e levam a escolhas irracionais e pouco produtivas.

7. Rapidez em fazer suposições e sustentá-las acima de tudo

Pessoas com baixo QE tendem a formar opiniões muito rapidamente e deixam-se levar por confirmações falsas. Elas apenas registram as evidências que concordam com as suas opiniões e ignoram todas as evidências que defendem o contrário.

Pessoas inteligentes emocionalmente deixam seus pensamentos amadurecerem, pois sabem que reações iniciais são levadas pela emoção e pelo desconhecimento.

8. Sentir-se incompreendido

Por não conseguir nomear suas emoções, as pessoas com baixa Inteligência Emocional não conseguem transmitir a terceiros aquilo que sentem, então muitas vezes não são compreendidas adequadamente.

Pessoas com elevado QE também se sentem incompreendidas com frequência, porque nem sempre transmitem as suas ideias perfeitamente, mas tentam adaptar o seu discurso até que sejam claras.

9. Nunca sentir raiva ou se zangar

Existe uma ideia equivocada de que as pessoas com elevada Inteligência Emocional não se zangam. Ser emocionalmente inteligente não é ser sempre calmo e centrado, mas sim saber gerir as emoções para obter os melhores resultados possíveis.

Mascarar emoções não é genuíno, nem produtivo. Tentar mostrar sempre que não está com raiva não é uma forma saudável de trabalhar com as emoções.

10. Não esquecer os erros

Pessoas com QE alto conseguem se distanciar dos seus erros sem esquecê-los. Assim há uma maior autoconsciência para transitar na linha tênue entre viver o erro ou apenas lembrá-lo.

Fixar nosso pensamento por muito tempo nos erros nos deixa mais ansiosos e nos faz evitar novas responsabilidades, enquanto esquecê-los nos faz totalmente capazes de repeti-los.

O equilíbrio está na habilidade de transformar falhas em oportunidades de melhora.

Existem ainda outros sinais para você observar, como:

  • Dificuldade em entender os sentimentos de outras pessoas.
  • Considerar outras pessoas “sentimentais demais”.
  • Ter explosões emocionais inesperadas.
  • Falta de empatia.
  • Dificuldade em fazer e manter amizades.
  • Incapacidade de lidar com situações de forte carga emocional
  • Não compreender sentimentos pela entonação de voz.
  • Discutir em demasia.
  • Diminuir a importância das emoções.

Ao identificar esses sinais em você ou em outros, você consegue tomar as atitudes certas que aprenderá a seguir.

Como desenvolver sua Inteligência Emocional

Uma das grandes dificuldades de qualquer soft skill é desenvolver e treinar uma nova habilidade.

Você não consegue aprender Inteligência Emocional apenas com um livro ou dois, você precisa se conhecer e começar a pensar em suas ações, voltando-as para seu crescimento e desenvolvimento.

Saber limitar os impulsos sentimentais e controlar as emoções em situações conflitantes em prol de alcançar alguma meta é a diferença entre alcançar o objetivo e fracassar.

Portanto, a Inteligência Emocional é um dos grandes trunfos das pessoas de sucesso.

Porém, antes de aprender como desenvolver Inteligência Emocional, é importante saber identificar os sinais dessa habilidade em você.

Como identificar os sinais de Inteligência Emocional?

Para alcançar os objetivos e viver de um modo mais tranquilo, a Inteligência Emocional precisa ser aplicada em vários aspectos do nosso cotidiano.

Listamos aqui 6 formas de identificar se você possui Inteligência Emocional:

Conhece suas forças e fraquezas

Conhecer seus limites, saber seus talentos e dificuldades e, principalmente, ter humildade para aceitar as fraquezas são sinais de inteligência emocional.

Quem é emocionalmente inteligente consegue definir melhor suas áreas de domínio e as que exigem superação.

Tem facilidade de concentração

Se você está no trabalho ou em alguma tarefa importante e se dispersa por cada alerta de mensagem no celular ou por pensamentos que invadem a sua cabeça, isso não é um bom sinal.

Esse comportamento demonstra muita dificuldade de concentração e pode impedir que você trabalhe em um nível mais elevado.

Para atingir um bom padrão de concentração basta treinar essa habilidade no cotidiano.

Mantém seus princípios morais

A nossa identidade moral é um dos principais aspectos da inteligência emocional e está intrinsecamente associada ao desenvolvimento de valores e de virtudes essenciais ao comportamento.

Refletir sobre esses fatores incentiva a adequação de uma postura que nos torna éticos e cuidadosos em todas as relações pessoais e profissionais.

Se você é uma pessoa hipócrita, por exemplo, não pode se considerar inteligente emocionalmente.

Percebe as necessidades das pessoas

Uma pessoa com inteligência emocional bem desenvolvida é alguém que consegue perceber as necessidades dos outros e auxiliar no que for possível.

Essa habilidade exige percepção, sensibilidade e tato para se comunicar mais facilmente, extraindo aquilo que nem sempre é dito em palavras.

Consegue se automotivar

A inteligência emocional aguçada estimula o indivíduo a buscar seus objetivos.

Ainda que seja necessário superar obstáculos, quem consegue se automotivar e ainda incentivar pessoas a adotar uma postura semelhante é inteligente emocionalmente.

Ademais, sempre terá energia e disposição para encontrar as melhores formas de superar os desafios.

Sabe dizer não

Disciplina, resiliência e bom senso são alguns dos componentes da Inteligência Emocional.

Em linhas gerais, essas qualidades demonstram a capacidade de se disciplinar e evitar atitudes insalubres.

As pessoas dotadas de IE têm mais facilidade para controlar impulsos e reduzir os reflexos negativos do estresse e de outros estímulos nocivos.

Como faço para ter inteligência emocional?

Você percebeu, ao ler o tópico anterior, que não possui algum dos atributos de pessoas emocionalmente inteligentes?

Vamos então começar a desenvolver essa habilidade! Temos dicas simples que podem ajudar você a lidar melhor com seu lado emocional.

Use essas 7 dicas como um ponto de partida para seu desenvolvimento pessoal.

1. Crie consciência sobre seu comportamento e suas reações

A melhor forma de criar consciência é se auto-observar. Deve ser um exercício diário.

Comece elencando os momentos de seu dia a dia que mais mexem com suas emoções. Crie uma lista com os acontecimentos e qual sentimento cada um deles te trouxe.

É provável que você perceba uma tendência a evitar ou atrasar cada vez mais o que mexe negativamente com suas emoções, mesmo que sejam tarefas importantes para atingir suas metas.

Paralelamente, irá perceber que costuma realizar mais rapidamente tudo o que é mais agradável emocionalmente.

Tente aos poucos levar essa consciência para situações fora da sua rotina.

É ainda mais desafiador, porém é fundamental. Pare, observe e entenda como você reage e se comporta com as adversidades.

Esse exercício contínuo permitirá que você saia do automático e compreenda melhor como trabalhar sua inteligência emocional.

2. Domine suas emoções

Existem inúmeras técnicas para isso, cabe a você pesquisar as que melhor se encaixam no seu dia a dia e quais funcionam para você.

Você pode usar a respiração como uma boa forma de começar, ela faz parte de processos de meditação e ioga, é fundamental para a prática de exercícios físicos e ajuda a manter a calma em momentos de estresse.

Use o inspirar e expirar para se acalmar, voltar ao seu estado normal, tirar as emoções excessivas.

Faça caminhadas quando estiver sob fortes emoções. Ao caminhar, você respira e deixa o corpo trabalhar as emoções físicas. Use esse tempo para pensar nas suas ações ou então em alguma solução para seu problema mais imediato.

O mindfulness também é uma boa forma de lidar com suas emoções.

Essa técnica permite que você perceba, por meio da atenção plena, seu corpo e mente, permitindo regular suas emoções e criando um "espaço" mental.

3. Melhore a comunicação com as pessoas ao seu redor

Muitas vezes, as emoções saem de controle simplesmente por interpretações erradas de uma situação.

Aprender a se expressar significa não só falar e gesticular bem, mas também perceber se a outra pessoa compreendeu o que você disse.

Coloque sentimentos nas suas falas, expresse o que você sente quando conversar com alguém, assim a pessoa pode entender melhor o contexto da sua fala.

4. Pense em respostas ao invés de reagir no automático

Quando você é agredido verbalmente por uma pessoa, sua reação automática é devolver a ofensa?

Se a resposta for sim, você está deixando seu inconsciente emocional e impulsivo tomar conta de suas ações.

Uma dica simples é nunca responder qualquer mensagem, e-mail ou ligação quando estiver sentindo emoções muito fortes.

Espere alguns minutos, acalme-se e aí sim responda. Comece devagar mas faça constantemente.

Ao reagir no automático, nos colocamos em uma posição contrária à inteligência emocional.

5. Conheça suas forças, fraquezas e limites

Ao listar suas forças, fraquezas e limites pessoais, você conseguirá se conhecer melhor.

Saber suas forças e fraquezas é um bom modo de tentar equilibrar seus comportamentos e explorar oportunidades de crescimento.

Reconhecer suas fraquezas permite que você aprenda a pedir ajuda e saiba onde deve se fortalecer.

Por fim, os limites vão sinalizar até onde você pode ir sem ferir-se.

Respeitar a si próprio é uma das principais formas de demonstrar inteligência emocional.

6. Exerça a empatia

Como a inteligência emocional refere-se ao reconhecimento não só das nossas emoções, mas também dos outros, desenvolver empatia é fundamental.

Tentar compreender como o outro se sente desperta em cada pessoa a vontade de agir melhor.

Ser empático significa olhar menos para seus problemas e olhar para fora, enxergar quem está ao seu redor, com intuito verdadeiro de tentar ajudar.

A empatia, quando bem trabalhada, gera conexão entre as pessoas.

7. Seja mais resiliente

Sempre existirão problemas, a vida de ninguém pode ser perfeita, a grama do vizinho raramente é de fato mais verde.

Você pode aprender a trabalhar mais a resolução dos problemas e usar menos esses problemas como uma forma de fugir das responsabilidades.

Ao se tornar resiliente, as lições aprendidas em momentos difíceis irão propiciar que você ganhe mais confiança e experiência, tornando-o uma pessoa mais forte.

Bons hábitos para ter inteligência emocional

Inteligência Emocional é uma habilidade que pode ser desenvolvida ao mudar alguns hábitos ruins e substituí-los por comportamentos melhores.

Além de seguir as dicas do tópico anterior, tente colocar em prática esses bons hábitos para ter Inteligência Emocional:

  • Pratique audição ativa: escute verdadeiramente as pessoas, mantenha sua atenção plenamente voltada para a pessoa com quem estiver conversando. Isso significa não checar o celular, nem pensar em qualquer outra coisa que você precise fazer. Esse comportamento fará com que as pessoas queiram conversar com você e permitirá desenvolver amizades maiores e mais fortes ao mesmo tempo.
  • Pratique atividades físicas que promovam a respiração: lembra quando foi dito que a respiração ajuda a controlar as emoções? É muito importante treinar sua respiração sempre e juntar isso a um hábito saudável, que é a prática de exercícios físicos. Meditação guiada, ioga, pilates, corrida e lutas em geral são bons exemplos.
  • Expresse-se mais: deixe claro o que você sente em todas as situações possíveis. Esse comportamento demonstra respeito aos seus próprios sentimentos e também ajuda a criar conexões verdadeiras com outras pessoas.
  • Tenha autoconfiança: acredite em si mesmo, ressalte suas qualidades e seus talentos e não tenha medo de fazer escolhas. Se você não sente confiança em determinado aspecto da sua vida, como sua aparência ou sua habilidade em determinado assunto, corra atrás de melhorar e aprimorar esse quesito.
  • Faça trabalho voluntário: além de ajudar o próximo, ser voluntário em uma ONG, por exemplo, é muito bom para aumentar sua capacidade de ser empático. Mesmo que a atividade que você faça seja para ajudar animais de rua ou proteger o meio ambiente, ele fará com que você se conecte com outras vidas.
  • Durma pelo menos 7 horas por dia: um cérebro descansado consegue controlar melhor suas emoções. Quando você está cansado pode se irritar com mais facilidade, reagir de maneira negativa a algum assunto ou até mesmo tomar decisões ruins.
  • Tire um momento para você: às vezes estamos tão ocupados nos preocupando com outras pessoas, cuidando dos amigos, do cônjuge ou dos filhos, que esquecemos de desacelerar e pensar em nós. É importante tirar um momento para fazer o que você quer fazer, descansar e refletir sobre seus assuntos.

Quais desses hábitos você já pratica? É importante entender que você não precisa fazer tudo, faça apenas aquilo que se encaixa nos seus objetivos.

Tenha uma rotina saudável e aproveite para praticar um ou dois desses hábitos sempre, dê prioridade para você mesmo e sua saúde emocional.

Por que Inteligência Emocional é tão importante?

Depois de ler esse artigo e perceber que você vai precisar se esforçar muito para aumentar seu QE, deve estar se perguntando “por que Inteligência emocional é importante? Por que eu deveria me esforçar para melhorar nisso?

Nós vamos explicar os motivos e te convencer a começar sua jornada de melhoria hoje mesmo.

De acordo com o expert no assunto e autor de um dos melhores livros sobre Inteligência Emocional, Travis Bradberry, pessoas com um nível alto de inteligência emocional procuram ser bem sucedidas.

Elas conseguem controlar suas emoções, têm um bom convívio social e constantemente avaliam suas próprias atitudes e seus pensamentos.

Pessoas emocionalmente inteligentes são aquelas que mais se dão bem em seus ambientes de trabalho.

Um estudo avaliou a vida de 17 mil pessoas, desde quando eram crianças até chegarem à fase adulta, por um período de 50 anos.

O resultado mostrou que as pessoas consideradas emocionalmente inteligentes eram mais bem sucedidas em suas profissões do que aquelas com grandes pontuações de QI.

Quando bem trabalhada, essa é uma competência que traz maior equilíbrio na vida pessoal e sucesso profissional.

Saber lidar com as emoções e controlar os sentimentos mediante situações difíceis é fundamental.

Manter o domínio das emoções é de suma importância para a boa convivência com outras pessoas, além de tornar o ambiente familiar e profissional mais saudável e tranquilo.

Uma das consultorias empresariais mais renomadas do mundo, a TalentSmart, realizou uma pesquisa que apontou a Inteligência Emocional como responsável por 58% do desempenho de qualquer profissional.

Se você ainda tem dúvidas sobre para que serve a inteligência emocional, vamos dar alguns exemplos práticos:

Para que serve a inteligência emocional

Melhora o uso do pensamento e do raciocínio

A Inteligência Emocional aumenta a clareza da mente e facilita as tomadas de decisão e melhora o raciocínio.

Ao administrar as emoções, você consegue abrir espaço em seu pensamento para que as ideias se organizem, o que facilita a resolução dos problemas de maneira mais objetiva e menos impulsiva.

Ajuda na compreensão das emoções

Compreender as próprias emoções é o primeiro passo para ser emocionalmente inteligente.

Só assim podemos trabalhar do modo mais adequado com cada um dos nossos sentimentos.

Entendendo cada um deles, temos domínio sobre nossas respostas e decisões — atitude que resulta em um estado de espírito mais otimista e sereno.

Controle das emoções próprias e alheias

Uma pessoa com alto QE consegue pôr em prática técnicas para apaziguar ambientes conturbados.

Um exemplo bem simples é o de calar-se diante de uma ofensa, quando a parte ofensora está claramente fora de si.

Parece muito simples, mas exige muito controle sobre as próprias emoções para não deixar-se levar pelo momento.

A Inteligência Emocional melhora suas competências sociais e também a habilidade de interação com outras pessoas, assim como a capacidade de gerir suas emoções.

Esses fatores são essenciais para garantir popularidade, liderança e eficácia nas interações interpessoais.

Estimula o autoconhecimento

Quando você possui consciência das próprias habilidades e competências, é capaz de traçar metas e objetivos e transformar seus sonhos em realidade.

Uma pessoa que conhece profundamente a própria mente e o próprio coração é capaz de gerir sua vida de forma muito mais efetiva.

Melhora seus relacionamentos

Relacionamentos de pessoas emocionalmente inteligentes são relacionamentos saudáveis, pois essas pessoas conseguem estabelecer limites claros e conseguem formar laços verdadeiros de afeto.

Elas também têm menos problemas com ciúmes e sabem respeitar as necessidades da outra parte.

Com emoções equilibradas as relações interpessoais tendem a ser mais duradouras, fortes e baseadas no respeito.

Otimiza sua saúde física e mental

Quando deixamos o estresse e o descontrole emocional tomar conta de nossas vidas, o nosso corpo e a nossa mente também são afetados.

Ansiedade, nervosismo, desânimo, distúrbios alimentares e problemas estomacais estão intimamente ligados com as nossas emoções.

Por isso, ter corpo e mente equilibrados dependem e muito da forma como administramos os nossos sentimentos e lidamos com as tarefas difíceis do dia a dia.

Percebeu como a Inteligência Emocional é importante?

Se você quer ter sucesso na sua jornada de estudos e trabalho, precisa começar a desenvolver essa habilidade o quanto antes!

Caso tenha gostado do tema e queira se aprofundar, conheça alguns livros de Daniel Goleman:

Vale conferir ainda obras de outros autores:

Se você tiver alguma dúvida sobre o tema deste artigo, não deixe de comentar ou mandar um e-mail para nós.

Gostou desse conteúdo e não quer perder nenhuma publicação sobre aprendizagem, autoconhecimento e curiosidades? Se inscreva na nossa Newsletter e receba nossas novidades por e-mail.

Baixe grátis:Mapa do Meta-aprendizadoConfira o passo-a-passo para criar seu mapa do meta-aprendizado e aprimorar o seu processo de aprendizagem. Com o mapa do meta-aprendizado, aprender qualquer coisa fica fácil!BAIXAR AGORA
Capa eBook
Continue aprendendo
O que é a Curva de Aprendizagem e como você pode aplicar essa ferramenta na sua vida

Curvas de aprendizagem podem ajudar nos estudos e no treino de novas habilidades. Podem ser usadas até o fim das nossas vidas e são uma forma super eficaz de demonstrar nosso desenvolvimento.

Aprendizagem
Um poliglota autodidata: entrevista com Luiz Guilherme

Conheça a experiência do Luiz, que ficou fluente em inglês e espanhol estudando sozinho e ainda está aprendendo outras línguas!

Aprendizagem